Qualidade dos Lucros: como manipular operações para reduzir custos - TC

TC School / Análise Fundamentalista

Qualidade dos Lucros: Como manipular as operações para reduzir os custos?

21/09/2021 às 17:00

TC School

Na sequência de nossa série sobre a qualidade dos lucros e análise fundamentalista, hoje vamos falar como as empresas podem manipular as operações para reduzir os seus custos e as suas despesas.

Será que é possível mexer na quantidade de produtos produzidos, por exemplo, para melhorar ou piorar os lucros da companhia?

Na verdade, tudo vai depender do incentivo da gestão da empresa. Se a empresa obtiver gestores com incentivos errados, eles vão ser incentivados a fazer coisas que vão destruir o valor da empresa no longo prazo. Temos de ficar sempre atentos aos incentivos quando falamos de qualidade dos lucros.

A série “Qualidade dos Lucros” é composta dos seguintes temas:

  1. O Método POC – como as empresas aumentam ou reduzem suas despesas
  2. Como manipular as operações para reduzir os custos?
  3. Como as empresas manipulam as contas
  4. Estudo de Caso: ABEV3, VALE3 e PETR4
  5. As distorções entre lucro e geração de caixa
  6. Gerenciamento de impressão

Boa leitura!

Como identificar a manipulação dos números

O principal ponto para se observar é com relação ao incentivo, pois se as pessoas tiverem apenas incentivos “perversos” de curto prazo, vão trabalhar para resolver problemas de curto prazo, para ganhar bônus de curto prazo.

Entretanto, há formas de identificar também a manipulação dos números. Como, por exemplo, a manipulação de receitas por atividades reais.

A empresa pode empurrar produtos para os seus clientes. Dessa forma, fornece um monte de descontos que são insustentáveis e que vão gerar receita de curto prazo, porém irá destruir o valor da empresa no longo prazo.

É possível perceber esses movimentos, mas sempre se atentar para os incentivos, pois eles irão guiar essas práticas.

Existe também uma prática com nome interessante relacionada a essa manipulação das receitas: Cookie Jar Accounting que é baseado em uma “contabilidade em potes de biscoitos”. Mais a frente eu explico melhor este conceito.

TC Rádio

Vídeo na íntegra:

Técnicas de manipulação

Existem algumas técnicas de manipulação de resultados com nomes interessantes (Cookie Jar, Big bath, Income Smoothing). Todas elas são práticas que no final das contas levam a empresa a tentar suavizar as variações do lucro.

Logo, se uma empresa tem um lucro muito volátil, isso dificulta a análise dos analistas. Então, as empresas buscam fazer com que os seus grupos sejam menos voláteis quanto for possível.

Cookie Jar Accounting

No Cookie Jar Accounting, por exemplo, você vai acumulando receitas ou despesas na contabilidade como se fosse um pote de biscoito. Por exemplo, a empresa bateu a meta de vendas em novembro. Então, a receita de dezembro pode ter uma parte guardada num “pote de biscoito” para o caso da empresa precisar no futuro, no tempo de vacas magras. Assim, eles vão ter uma receita guardada para usar mais para a frente e reduzir a volatilidade dos lucros no futuro.

Então, a técnica é utilizada para não reconhecer despesas ou receitas de um período e fazer isso em outro quando for necessário.

As empresas podem manipular os números?

A pergunta que fica é: como as empresas podem manipular os seus custos por meio das atividades reais ou operacionais e o que que elas ganham com isso?

Podemos falar sobre os níveis de produção. A empresa pode aumentar ou reduzir a sua produção e essa é uma forma bem comum para manipular atividades operacionais ou atividades reais (são sinônimos).

Uma indústria, por exemplo, pode acelerar a produção mesmo sem expectativa de vender tudo o que foi produzido. Afinal, os custos fixos vão ser diluídos nos produtos produzidos – ainda que não tenham sido vendidos. Isso vai fazer com que o custo unitário de cada produto seja reduzido.

Em um exemplo simples, imagine que uma indústria tenha custo fixo total de R$ 1.000,00 e produza 100 unidades num mês. Neste caso, o custo fixo dividido por cada produto seria de R$ 10,00. Se a indústria dobrar a produção, produzindo 200 unidades no lugar de 100, supondo que eles tinham capacidade ociosa, o custo fixo por cada produto cai pela metade: R$ 1.000,00/200 = R$ 5,00 por produto.

Dessa forma, a companhia consegue ter lucros e margens ainda maiores. Em contrapartida, tem aumento de custo de manutenção de estoque e também o risco de o estoque ficar obsoleto.

As empresas também reduzem gastos gerais e podem destruir valor no longo prazo. Imagine empresas que precisam treinar funcionários, fazer manutenção na empresa, gastar com pesquisa e desenvolvimento. Isso é feito para reduzir as despesas hoje, mas no longo prazo reduz o valor da empresa.

E isso é feito a depender do incentivo da empresa. Se a diretoria tem uma meta de reduzir custos,  farão o que for possível para reduzi-los. Se têm meta para aumentar o lucro, farão de tudo para aumentá-lo.

Os accruals

Por que algumas empresas optam por manipular as atividades reais ou operacionais ao invés de manipular os accruals?

A manipulação de accruals exige justificativa porque são escolhas contábeis importantes a serem realizadas e aceitas sem maiores problemas pela auditoria. A empresa precisa convencer a auditoria e os investidores de que é mais difícil fazer isso. Também  existe um limite para manipular os accruals. Não se pode ficar acumulando um monte de receita ou um monte de despesa no “potinho de biscoito” para sempre – existe um limite pra isso.

Talvez seja mais fácil manipular as atividades reais do que os accruals, a depender da base de acionistas e dos auditores que as empresas possuem. Normalmente as empresas fazem uma combinação – um pouco de cada. E as atividades reais são mais difíceis de serem detectadas e monitoradas. É preciso ter bastante conhecimento do setor e da empresa para em seguida questioná-la.

TC School

No TC School você tem acesso a textos e vídeo aulas gratuitas com muita informação importante para quem está pensando em dar os primeiros passos como investidor.

Queremos comunicar de maneira simples, prática e o mais acessível possível para todos os públicos! Portanto, se liga só quanto conteúdo bacana você encontra por aqui:

Professor Felipe Pontes
Felipe Pontes
Diretor Educacional do TradersClub
Doutor em Contabilidade com foco em informações contábeis para o mercado de capitais pelo Programa UnB/UFPB/UFRN. Professor de Contabilidade e Valuation. Gestor de Clube de Investimento.

TC School

A sua escola como investidor.

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub