Como funciona o consórcio: da contratação à contemplação - TC

TC School / Educação Financeira

Como funciona o consórcio: da contratação à contemplação

09/08/2021 às 11:42

TC School

O processo para a compra de um imóvel ou um veículo geralmente envolve a fase de definição de como o bem será adquirido. À vista, financiado, parcelado ou por um consórcio. Esta última opção de modelo de crédito é muito popular, mas o que tem de disseminada tem de dúvidas em relação à sua utilização. Por isso, trataremos do conceito de consórcio no texto de hoje.

O consórcio, que envolve sorteios e lances em sua vigência, é uma criação brasileira. Isso mesmo. O modelo é 100% nacional. E está no gosto das pessoas. O modelo foi criado na década de 1960 por funcionários do Banco do Brasil.

Com dificuldade de acesso ao crédito para o consumidor na época, eles se reuniram para criar um fundo que tivesse recursos suficientes para todos. Estava plantada a semente de um dos modelos de crédito mais disseminados pelo país.

Hoje, vamos entender mais sobre esse sistema que envolve os consórcios, desde a sua contratação até a contemplação. Vamos tirar dúvidas, aprender conceitos e, a partir destes esclarecimentos, permitir que você consiga tomar uma decisão melhor quando for comprar um bem, seja por consórcio ou não.

Nesse texto você vai encontrar:

  • O que é um consórcio
  • Como funciona o modelo de crédito
  • Custos de um consórcio
  • Vantagens e desvantagens 
  • Riscos de adquirir um consórcio

Boa leitura!

O que é um consórcio

A referência mais simples para o entendimento do consórcio é a vaquinha. Sabe aquela reunião de pessoas para comprar algo? Exatamente como fizeram os funcionários do Banco do Brasil lá na década de 1960.

O consórcio é um grupo de pessoas interessadas em ter um bem. Sem condição de comprá-lo imediatamente, elas e reúnem com os valores que têm para que o coletivo seja beneficiado.

Mas com algumas regras, obviamente. 

Nesse modelo de crédito via consórcio, as pessoas contribuem através do pagamento de parcelas, geralmente mensais, para que a aquisição dos bens seja feita de maneira contínua.

Como se fosse feita uma vaquinha mensal para comprar o bem, que será distribuído de acordo com as regras do grupo. Na verdade, não apenas um bem, como serviços. Existem, por exemplo, consórcios para a realização de casamentos

A organização dos consórcios fica por conta de empresas chamadas de administradoras. Elas são autorizadas e fiscalizadas pelo Banco Central.

Para evitar problemas e golpes, é importante pesquisas bem antes da reputação da administradora. O Banco Central disponibiliza uma lista para essa pesquisa

Como funciona o modelo de crédito

Como falei acima, o consórcio é como se fosse uma vaquinha. Então há uma cotização e divisão dos valores entre os membros do grupo. São pagas parcelas em prazos definidos que formam o chamado fundo comum. Esse fundo é que será utilizado para a aquisição do bem ou do serviço específico de cada grupo. 

Com os membros definidos e os valores estipulados, o consórcio passa a funcionar. Dessa forma, de acordo com a periodicidade prevista em contrato, a administradora sorteia um ou mais participantes para que possam utilizar parte do fundo, ou seja, adquirir o bem que é objeto do contrato.

Nesse momento também é permitido a realização de lances, que, no caso de vencedores, são contemplados da mesma forma. 

O consórcio mais popular no país é o de automóvel e motos. Mas não é o único. É possível fazer um consórcio para a compra de um imóvel, para máquinas agrícolas, smartphones, viagens de férias, casamentos, lua de mel, eletroeletrônicos, serviços.  Há uma infinidade de possibilidades. 

Custos de um consórcio

O pagamento, dessa forma, é feito de acordo com o valor do bem. Mas a prestação não se resume ao valor exato do objeto do consórcio. Entre os custos do modelo estão taxa de administração, fundo de reserva e seguro

Taxa de administração

A taxa de administração é paga pelo serviço que a empresa que organiza o consórcio realiza. Ela não é fixa e vai variar de caso a caso. Normalmente é calculada em cima do valor total do consórcio e diluída ao longo das prestações

Fundo de reserva

Já o fundo de reserva é utilizado como uma segurança em casos específicos. Ele pode ser acionado em momentos que membros deixam de honrar seus compromissos, o que diminui o saldo do fundo comum, pagamento de prêmio de seguro, pagamento de despesas, possíveis custos judiciais etc. Ao final do prazo do consórcio, o saldo dele é dividido entre os membros. 

Vantagens e desvantagens

Mas um modelo de crédito tão popular no país, quais as vantagens de adquirir um consórcio?

O consórcio, assim como outros modelos de crédito, tem seus prós e contras. Alguns mais, outros menos. Mas ele é uma opção que pode ser viável para muitas pessoas. 

O grande ponto dele é permitir a aquisição de algo sem a necessidade de um valor elevado de entrada.

O consórcio é também uma forma de parcelar o pagamento sem que pague altos juros, mas esse caso funciona melhor com quem tem o montante necessário para dar o lance.

Vou explicar melhor abaixo.

Na primeira situação, de quem não tem o valor de entrada, as parcelas do consórcio podem ser mais aprazíveis e tranquilas durante o prazo. Evita o pagamento de altos juros e opta por um grupo que tenha os valores que caibam no orçamento.

Na segunda situação, quem já tem um valor considerável, que poderia ser dado como entrada em um financiamento, por exemplo, pode optar pelo consórcio para não ter que pagar a taxa de juros – nesse caso é preciso fazer a comparação entre os juros do financiamento e as taxas do consórcio.

Com essa opção, a pessoa entra no consórcio já com o cálculo certo do valor para ofertar o lance – é mais fácil ter esse conhecimento em grupos que já estão em andamento. 

A tática de dar o lance para ser contemplado funciona para eliminar a principal desvantagem do consórcio: a incerteza.

Sem o montante para ofertar o lance, é preciso contar com a sorte para ter o bem, isso porque vai sempre depender do sorteio. Dessa forma, se não for sorteado no começo do consórcio, passará um longo período pagando as mensalidades sem poder usufruir daquele bem. No financiamento, por outro lado, a utilização pode ser imediata. 

Essa diferença de tempo pode fazer com que não seja tão vantajoso optar pelo consórcio. A partir de determinado ponto, ele passa a ser mais custoso. Mas essa conta só é possível ser feita com o conhecimento das taxas e dos juros cobrados no consórcio e no financiamento. 

Riscos de adquirir um consórcio

Além dos riscos em relação à confiança da administradora, que falei acima, existe um outro risco em adquirir o consórcio que é bem comum: liquidez.

Por não ter a possibilidade de realizar um lance alto ou por não ser sorteado, a pessoa pode passar mais tempo do que imaginava no consórcio. E isso pode acontecer em momentos de mudança de vida.

Caso desista no meio do caminho, só vai conseguir recuperar o valor que pagou quando for sorteado ou ao final do prazo. 

Uma opção para minimizar esse ponto é repassar a cota no consórcio para outra pessoa. Mas, para isso, é preciso estar atento às especificidades do contrato. 

Esperamos com o texto ter esclarecido as principais dúvidas quando ao modelo de crédito do consórcio, tão difundido e popular no Brasil, e que nem sempre pode ser interessante para você!

Baixe nosso app grátis! No TC você acompanha as principais notícias e cotações do mercado em tempo real, além de ter acesso a canais exclusivos para interagir com os melhores profissionais.

Estude e conheça! Aprenda com quem realmente entende de investimentos. Tire dúvidas, troque ideias, experiências e construa uma grande rede de networking com investidores de todo Brasil.

A gente também está no Instagram e no TikTok. Acompanhe!

Raphael Carneiro
Raphael Carneiro
Jornalista e planejador financeiro
Certificação CFP (Certified Financial Planner) concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros.

TC School

A sua escola como investidor.

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub