TC School / Educação Financeira

Lei do Superendividamento: o que muda para o consumidor?

12/07/2021 às 12:41

TC School

Está com dívida na praça? Já ouviu a expressão “superendividamento”? Não sabe como renegociar ou como resolver suas dívidas? Tem perdido a noite para buscar soluções? Bem, seus problemas não acabaram, mas vão ter um grande empurrão para serem resolvidos.

Desde o dia 2 de julho de 2021 entrou em vigor a Lei do Superendividamento. A Lei 14.181/21 altera o Código do Consumidor e estabelece algumas medidas para que seja evitado o superendividamento, por isso o apelido que a causa ganhou.

Com o novo texto no Código do Consumidor, há uma proteção maior para as pessoas que têm muitas dívidas e sofrem com dificuldades para saná-las. Além disso, há a criação de instrumentos que tentarão conter abusos na oferta de crédito

Entre as novidades que a Lei do Superendividamento traz ao Código do Consumidor estão novas diretrizes para oferta de crédito responsável; prevenção do superendividamento e conciliação da dívida

Nesse texto você vai encontrar:

  • O que é superendividamento
  • Temas Importantes
  • Vetos da lei

Boa leitura!

superendividamento

O que é superendividamento

Impossibilidade manifesta de o consumidor, pessoa natural, de boa-fé, pagar a totalidade de suas dívidas de consumo sem comprometer seu mínimo existencial“.

É assim que a nova lei define o que é o superendividamento. É fácil perceber que a intenção do texto é preservar as pessoas que têm boa-fé na relação com as dívidas e evitar que elas sofram de maneira exagerada com os juros.

Dessa forma, para chegar à situação de superendividada, a pessoa física não teria condições de sequer manter o mínimo existencial, ou seja, a renda mínima para bancar sua sobrevivência. Todo o dinheiro seria destinado ao pagamento das dívidas.

É isso que a lei tenta impedir!

+ Aprenda dicas para ajudar a renegociar suas dívidas

+ Cadastro positivo do Serasa: o que é e como funciona?

A intenção é que o consumidor consiga negociar o saldo devedor sem afetar o que é essencial para viver.

Entre as dívidas citadas estão: 

  • Operações de crédito (empréstimos); 
  • Compras a prazo; 
  • Serviços de prestação continuada. 

Mas vale prestar atenção ao termo “boa-fé”. A lei se aplica aos casos onde não há a má-fé comprovada, onde o consumidor não tenta se aproveitar de brechas legais para ter benefícios físicos e financeiros

Vale lembrar que o Procon-SP fomenta um Núcleo de Tratamento ao Superendividamento, que mantém o Programa de Apoio ao Superendividado (PAS), atendendo consumidores da cidade de São Paulo na análise da situação econômica, cursos de orientação financeira, dicas e planilhas de receita / despesas, renegociação de dívidas e, se necessário, audiência de conciliação de dívidas com os credores.

Temas importantes

A nova lei aborda algumas questões que devem ser levadas em consideração e que, por isso, vou mostrar de forma separada por aqui.

  • Recuperação judicial

Com a nova legislação, existe a possibilidade de renegociar as dívidas com todos os credores ao mesmo tempo. Algo similar ao que acontece com as empresas que admitem falência.

As pessoas físicas terão a condição de ter um acordo mais justo com o pedido de um processo para revisão dos contratos e apresentação de um plano de pagamento em, no máximo, cinco anos. 

A intenção é que devedores e credores entrem em acordo na elaboração desse plano de pagamento. Se não houver acordo, o juiz pode determinar um plano obrigatório com prazos, valores e forma de pagamento, sempre obedecendo ao “mínimo existencial”. 

  • Maior transparência 

Os bancos e instituições financeiras estão agora proibidos de ocultar os riscos reais por trás do pedido de um empréstimo.

Desde o dia 2 de julho fica obrigado que bancos e instituições financeiras divulguem com transparência informar os custos totais do crédito contratado. Isso incluir expor dados de juros, tarifas, taxas, encargos e punições em caso de atraso no pagamento. 

  • Fim do assédio

Sabe aquelas ligações, e-mails e mensagens para te induzir a aceitar algum tipo de crédito? Estão ilegais.

Não será mais permitido tentar atrair os consumidores com algum tipo de assédio ou pressão, inclusive a que inclui o oferecimento de possíveis benefícios pela contratação, como prêmios. 

Vetos da Lei do Superendividamento

A lei que entrou em vigor no começo de julho não foi exatamente como a aprovada pelo Congresso. Ao sancionar, o presidente também vetou alguns itens. 

Entre os itens vetados, talvez o que daria maior impacto nas relações financeiras era a possibilidade de o consumidor desistir, em até sete dias, da contratação do crédito consignado.

Ou seja, haveria uma carência para que a aquisição fosse desfeita sem a necessidade de pagamento de multa ou qualquer outro tipo de punição. 

Além disso, havia a previsão para que as empresas fossem proibidas de usar expressões como “sem juros”, “gratuito”, “sem acréscimo”, “taxa zero” ou outras semelhantes quando falassem de crédito. 

Há a possibilidade de o Congresso, em sessão conjunta da Câmara e do Senado, derrubar os vetos do presidente. Para que isso aconteça, é preciso que a sessão seja realizada em 30 dias, ou seja, até o final do mês de julho.

Raphael Carneiro
Raphael Carneiro
Jornalista
Planejador financeiro associado à Planejar

TC School

A sua escola como investidor.

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub