TC School / Mercado de ações

A divulgação antecipada de resultados trimestrais é um bom sinal?

24/05/2021 às 15:00

TC School

Por que uma empresa listada em bolsa antecipa ou posterga a divulgação de um resultado trimestral? A divulgação antecipada de resultados trimestrais é um bom sinal? E a postergação da divulgação de resultados seria um mal sinal?

Para responder essas e demais perguntas, revisamos algumas pesquisas empíricas que acompanharam variados casos de antecipação e postergação de resultados. Para facilitar o entendimento, vamos por partes:

  • Qual a importância das informações trimestrais?
  • Por que uma empresa listada em bolsa antecipa a divulgação de um resultado trimestral?
  • O que leva uma empresa a postergar a divulgação de resultados?
  • Qual a reação do mercado?
  • Conclusão

Boa leitura!

divulgação antecipada dos resultados

Qual a importância das informações trimestrais?

A divulgação de informações trimestrais são de fundamental importância para investidores avaliarem a situação financeira das empresas. Influenciando na tomada de decisão de investimento e permitindo o monitoramento do uso de capital já investido (Beyer, Cohen, Lys e Walther, 2010).

Para auxiliar investidores, a CVM obriga que empresas listadas em bolsa divulguem suas informações trimestrais no máximo 45 dias depois do exercício social. Deixando previsível a época de divulgação de resultados e criando uma espécie de agenda para cada companhia.

O que vamos investigar abaixo é o porquê de algumas empresas, momentaneamente, não seguirem tal agenda.

Antecipação da divulgação de resultados

Por que uma empresa listada em bolsa antecipa a divulgação de um resultado trimestral?

É importante lembrar que a divulgação de resultados é a solução para um problema de informação assimétrica. Antes de deter tal informação, os agentes de mercado possuem menos conhecimento sobre a companhia do que os gestores. Dessa forma, é possível que os gestores usem da antecipação do resultado como forma de sinalização ao mercado.

Em estudo realizado no mercado brasileiro (Vivas, Brito, Ferreira, Ramos, & Costa), avaliaram 5.356 divulgações trimestrais e anuais de empresas listadas na B3, no período entre 2010 e 2016, concluindo que empresas que antecipam seus resultados, tem provavelmente maior chance de trazerem boas notícias.

Um caso de antecipação como forma de sinalização positiva ao mercado foi o da Magazine Luiza em 2016. Naquele período, suas concorrentes varejistas vinham reportando resultados fracos no 3T, o que fez com que as ações da MGLU3 caíssem cerca de 30% em poucos dias. Para reverter a situação, a companhia decidiu antecipar seus resultados:

Após a divulgação, as ações não apenas recuperaram toda desvalorização, como também atingiram novas máximas pouco tempo depois.
Agora, você deve estar se perguntando, o que levaria uma empresa a postergar seus resultados?

A postergação da divulgação dos resultados

O que leva uma empresa a postergar a divulgação de resultados?

As razões para postergar as obrigações podem ser muitas. Na divulgação de resultados não é diferente: Dificuldade de auditoria, novos lançamentos, choques externos, etc. Alguns desses até são legítimos, mas estudos mostram que na bolsa, notícia ruim não chega a cavalo.

No mercado brasileiro (Kirch et al, 2012) resultados apontam que demonstrativos financeiros consolidados com prejuízo, demoram mais para serem entregues. Algo parecido foi observado no mercado chinês, onde verificou-se que quando há a postergação da divulgação de informações financeiras, é provável que o relatório divulgado seja objeto de más notícias (Haw, Qi, & Wu, 2000).

Casos recentes na bolsa brasileira corroboram para os resultados desses dois estudos:

  • Cogna Educação (COGN3)

Em março deste ano, em decorrência de dificuldades operacionais e restrições à mobilidade, a Cogna Educação (COGN3) resolveu adiar a divulgação do resultado do 4T20. Após a divulgação, verificou-se que a companhia teve um prejuízo de aproximadamente R$589 milhões no período, com um EBITDA recorrente negativo de R$100,5 milhões.

  • CVC Brasil (CVCB3)

Outro caso emblemático foi o da CVC, próximo ao pico da pandemia da COVID-19, a empresa decidiu adiar o resultado do 2T20, por conta de problemas com a auditoria. Após a divulgação, verificou-se um prejuízo líquido de R$250,2 milhões, além de uma receita praticamente nula.

O mesmo estudo citado anteriormente (Vivas, Brito, Ferreira, Ramos, & Costa), concluiu que quando uma empresa tem uma má notícia para contar ao mercado, é mais provável que ela adie a divulgação de seus resultados.

Qual a reação do mercado?

Bom, se você acredita ao menos na eficiência semiforte do mercado, espera que novas informações sejam absorvidas instantaneamente, e isso de fato ocorreu quando empresas adiaram a divulgação de seus resultados.

Em estudo de Bagnoli et al. (2002) verificou-se o desempenho das empresas em que a administração ultrapassou a data esperada de divulgação, chegando a conclusão de que os retornos médios nos dias seguintes à data de divulgação originalmente esperada do relatório foram negativos.

Outro caso brasileiro corrobora para esse estudo, em julho de 2020 a IRB Brasil (IRBR3) postergou a divulgação dos resultados do 2T20, levando a uma imediata desvalorização das ações da companhia, saindo da casa dos R$8,05 para os R$7,47.

Para entender melhor, vale a pena ler a coluna do professor Felipe Pontes sobre o caso IRB Brasil.

Fonte: TC Matrix

Conclusão

Os resultados sugerem que quando uma empresa tem uma boa notícia para comunicar ao mercado, existe uma maior probabilidade dela antecipar essa divulgação, logo, provavelmente é um bom sinal. Enquanto que se há uma má notícia para comunicar, há uma maior probabilidade dela postergar essa divulgação. Além disso, temos evidências de que o mercado reage negativamente ao adiamento de informações trimestrais previamente agendadas.

Referências

VIVAS, Anderson Brito; FERREIRA, Felipe Ramos and COSTA, Fábio Moraes da. MÁS (BOAS) NOTÍCIAS E POSTERGAÇÃO (ANTECIPAÇÃO) DE DIVULGAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Rev. adm. empres. [online]. 2020, vol.60, n.5 [cited 2021-05-20], pp.352-364.

Bagnoli, M., Kross, W. and Watts, S.G. (2002), The Information in Management’s Expected Earnings Report Date: A Day Late, a Penny Short. Journal of Accounting Research, 40: 1275-1296.

Beyer, A., Cohen, D. A., Lys, T. Z., & Walther, B. R. (2010). The financial reporting environment: Review of the recent literature. Journal of Accounting and Economics, 50(2), 296-343. doi: 10.1016/j.jacceco.2010.10.003

Haw, I. M., Qi, D., & Wu, W. (2000). Timeliness of annual report releases and market reaction to earnings announcements in an emerging capital market: The case of China. Journal of International Financial Management & Accounting

Kirch, G., Lima, J. B. N., & Terra, P. R. S. (2012). Determinantes da defasagem na divulgação das demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 23(60), 173-186.

Lucca Carlini
Lucca Carlini
Estudante de Economia na UFPE

TC School

A sua escola como investidor.

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub